graphics card reviews | graphics card comparison |

new journalism agora é outra coisa

Experiências do NewsCamp, segunda-feira 15. Terça 16 tem mais

Experiências do NewsCamp, segunda-feira 15. Terça 16 tem mais

levitra canada

nk”>Foto: Coletivo UARA

A sexta edição do NewsCamp começou nesta segunda-feira (15/11) com uma roda diversificada. Jornalistas independentes, estudantes, blogueiros, profissionais multimídia de grandes veículos (como o Terra e a revista Veja), comunicadores que estiveram no início das histórias do jornalismo colaborativo no Brasil. Viu-se um pouco da história do jornalismo alternativo dos anos 70 (Sergio Gomes, da Oboré), a experiência da Ciranda da Informação, que foi o primeiro publicador de jornalismo colaborativo no Brasil, disponível no Fórum Social Mundial 2001 (Antonio Martins, hoje editor do Outro Olhar), experiências alternativas de comunicação.

Os interesses são vários, mas há um senso comum na roda: “Formação, formação e formação”. Ainda falta conhecimento técnico para quem faz o jornalismo acontecer na raça, faltam cursos pra quem quer produzir multimídia na raça. Os professores de jornalismo online que vieram contaram que também falta interesse dos alunos de jornalismo na sala de aula (e os alunos também contaram que muitos professores estão completamente despreparados). O que vale mais? Tentar ensinar um aluno de jornalismo desinteressado a usar ferramentas de comunicação digital ou formar quem está louco para aprender, dentro das comunidades?

Também falta aos comunicadores que resolvem arregaçar as mangas conhecer técnicas de empreendedorismo para fazer acontecer. Jornalista não necessariamente precisa ser empregado de nenhuma grande empresa de comunicação – hoje as ferramentas para qualquer um começar seu veículo estão aí. E vários contaram como estão fazendo isso (Bola e Arte, Wikicrimes , o extinto PEBodyCount e outros tantos).

Vários desses projetos, contam, surgiram em encontros, papos e eventos como o Newscamp. Outras propostas surgem aos montes: integrar o transparência Hack Day, o Repórter do Futuro da Oboré (Sérgio Gomes propôs a formação de 100 duplas de jornalistas para contar a história por trás da feitura das principais reportagens premiadas no Brasil), banco de dados colaborativos.

Como financiar o jornalismo online? Financiamento público (os editais estão por aí) e financiamentos privados (O News Challenge, por exemplo, do Knight Center, está aberto para inscrições até dezembro). Essas alternativas, entretanto, exigem um certo protagonismo do profissional de comunicação. E, na roda de conversas, fica claro que a maioria é mais receptiva que proativa. Há dificuldades por toda parte: do jovem que está dentro da universidade, do editor da grande imprensa e até do empreendedor que luta sozinho.

O protagonismo também dialoga com novas competências deste profissional como o empreendedorismo, a gestão de processos, o cooperativismo e as novas técnicas. Parece quase um sonho, mas Serjão lembra bem a consequência disso: “se o homem não sonha, a obra não nasce”.

Nesta terça-feira (16), a programação continua:

14h às 18h: Jornalismo em bases de dados

O quê: Como as bases de dados podem ajudar o processo jornalístico? RAC Infografias de bases de dados. Qual o novo papel do jornalismo? E do jornalista? Grandes casos de uso de bases de dados no jornalismo brasileiro e internacional.

Onde: Na tenda do Encontro das Redes

Quem já garantiu presença: Pedro Valente (Yahoo!) e Carla Schwingel (UFBA e Teccred – Cásper Líbero)

No comments

Trackbacks/Pingbacks

  1. Jornalismo colaborativo tem de ser fora da redação | - [...] teve NewsCamp, no Fórum da Cultura Digital Brasileira, para desconferenciar o jornalismo colaborativo do Brasil. Ana Brambilla (Terra) e …

Leave a Reply