SELEÇÃO 100 MAIS

Foi ao ar uma infografia desenhada por mim e pelo Felipe Lavignatti sobre as 100 principais obras do cinema mundial (Felipe também é jornalista, programador de flash). A idéia é acrescentar mais conteúdo a ela nas próximas semanas, como 100 seleções de músicas de MPB, 100 objetos do design, 100 músicas eruditas e todas as edições especiais da Bravo! que foram patrocinadas pela CPFL.

Aí, acima, tive que diminuir o tamanho dela para que coubesse no blog. Ficou apertada e deformada. Faremos, nas próximas vezes, infografias de 600 px com código que facilite publicar em blogs e outros sites.

Para ver a infografia no tamanho original, clique aqui.

MULTIMÍDIA NYT: ONE IN 8 MILLION

Lá vem de novo o New York Times com um dos grandes trabalhos multimídia que já vi por aí. Este se chama One in 8 Million e é algo no estilo do que fez  o Washington Post com o On Being.  Na verdade, dá pra chamar de um On Being melhorado.

São basicamente depoimentos e fotografias de pessoas comuns. Nada demais, não fosse a apresentação multimídia espetacular.

Ainda vamos fazer um desses no Brasil.

ALGUMAS IMPRESSÕES: CAMPUS PARTY 2009

Um evento de tecnologia. Um espaço onde gente do mercado (publicitários, investidores, desenvolvedores e outros por aí) tenta fazer contatos e mapear possíveis “parcerias”. Uma competição barulhenta de video-games. Uma oficina de código para programadores. Um acampamento de férias da turminha do colegial classe média, misturado com um Acampamento da Juventude do Fórum Social Mundial. Uma lan-house gigante, com todo mundo no Orkut e no MSN ao mesmo tempo. Um oficina mecânica para computadores tunados. Um espaço para shows e para gente que cria música no PC. A turma do software livre. Lá no fundo, bem minoria mesmo – mas com destaque na imprensa, talvez porque aí esteja também a novidade -, um encontro de pensadores livres, de idéias progressistas e de gente que tenta construir redes éticas para mudar o mundo.

Depois de ter passado alguns dias no #CParty, a impresṣo principal foi essa: a de que, no fundo, ̩ um encontro de f̣s de tecnologia para computadores Рseja software ou hardware -, e que ṣo poucos ali os preocupados com os rumos dessas mesmas tecnologias. Corrijam-me se estiver errado.

Ouvi alguns dizerem que o Campus Party desse ano estava “mais voltado para o mercado, com as empresas tomando conta de tudo”, e menos “bicho-grilo geek”. Disseram que “a vibe do encontro estava diferente, mais pesada”. Ouvi chamarem de São Paulo Fashion Geek. Não estive em 2008, mas acredito. Lembro de alguns protestos bem humorados (essa história até se repetiu, mas já não era novidade). Dessa vez, fora o protesto contra o projeto do Azeredo (que também teve em 2008), soube de histórias bem deprimentes, como a expulsão de um grupo de música do palco, simplesmente porque não gostavam da música (atitude “nerdista”, meio nerd e meio nazista); e o roubo de notebooks, provavelmente incentivado por gente que fez um vídeo explicando como burlar a segurança.

Me parece também que, em geral, foram bons os encontros entre blogueiros, famosos ou não. Encontrar fisicamente aqueles que conheciam apenas virtualmente sempre é válido, fortalece laços criados na web. Desses encontros surgem projetos, idéias, amizades e outras redes. O contato pessoal ainda é imbatível na eficácia para troca de informações. Agora, quais informações? Essa é a questão.

Dahmer já dizia não acreditar em nenhuma revolução patrocinada por qualquer multinacional – ou algo mais ou menos assim. De fato, o Campus Party não me pareceu trazer nenhum grande avanço em nenhum sentido (comparando com as redes e as ações que se formam a partir do FSM ou do FISL, por exemplo). Talvez tenha gerado algumas idéias para alguém ganhar algum dinheiro, talvez alguns contatos que possam render emprego. E talvez, quem sabe,  lá num espaço qualquer, alguns dos encontros produzam conhecimento que sirva para melhorar o mundo um pouquinho. Sendo bem otimista.